Mansplaining e Manterrupting

Postado em 28/06/2018
Carreira

Entenda melhor os termos que indicam o machismo nas relações

Muitos veículos e influenciadores já haviam falado sobre mansplaining e manterrupting, mas na última semana esses dois termos americanos ganharam ainda mais visibilidade, especialmente após uma entrevista de Manuela D’Ávila ao programa Roda Viva, da TV Cultura.

Se formos traduzir de forma literal, mansplaining é a junção de “man” (homem) e “explaining” (explicar). De forma prática, é quando um homem dedica seu tempo para explicar algo óbvio a uma mulher, de forma didática, como se ela não fosse capaz de entender. Já o termo manterrupting é uma junção de “man” (homem) e “interrupting” (interrupção) o que, em tradução livre, quer dizer “homens que interrompem”. Geralmente, um ato vem acompanhado do outro, afinal, que mulher nunca foi interrompida por um homem ávido para mostrar que sabia mais que ela sobre determinado assunto?

Esse comportamento é muito comum especialmente em situações corporativas, onde as mulheres estão apresentando um projeto, ministrando uma palestra ou explicando algo à uma plateia. Mas, acredite se quiser, essa prática é notada até no âmbito pessoal! “Fiquei impressionada quando, em um almoço de família, meu cunhado ‘atropelou’ minha fala e foi explicando para a família sobre o câncer (eu havia descobrido um câncer de mama) e dizendo que os sintomas que eu estava citando não condiziam com a minha condição”, relembra Marta dos Santos.

No caso da pré-candidata à presidência, Manuela D´Ávila, a situação teve muito repercussão porque foi mostrada, em rede nacional, a dificuldade que ela teve em concluir seu pensamento diante de entrevistadores. Muitos disseram não se tratar de uma “entrevista”, já que não estavam ali para ouvir as respostas, estando ali apenas para falar e impôr suas já concebidas opiniões.

E por que esse assunto teve tanta visibilidade? Porque o que a grande maioria classificou como “mimimi” é um sinal implícito de machismo. Tanto o mansplaining quanto o manterrupting revelam que os homens que o praticam não acreditam no conhecimento e habilidade daquelas mulheres, portanto acreditam ser necessário interromper e falar eles mesmos sobre qualquer que seja o assunto.

Se essa mulher é uma líder dentro da empresa, por exemplo, a situação tende a se agravar ainda mais. Pois, infelizmente, ainda vivemos em uma sociedade que desmerece o intelecto feminino. E não estamos falando apenas de homens desmerecendo mulheres. Também vale para mulheres que falam nos corredores que “fulana de tal” só conseguiu subir de cargo porque era puxa-saco, ou porque tem um caso com o chefe.

Ainda no ambiente corporativo, notamos uma outra prática muito comum, que é o Bropriating. Junção dos termos “bro” (de brother, irmão, mano) e “appropriating” (apropriação), é quando um homem literalmente rouba uma ideia feminina e apresenta como sua. Eu mesma já vivi essa situação em uma de minhas experiências profissionais. Meu superior imediato, um homem mais velho, há anos trabalhando na mesma empresa, não aceitava o fato de que haviam me oferecido uma promoção para ocupar o mesmo cargo que ele. Assim, todas as ideias que eu dava em reunião, imediatamente eram rebatidas por ele ou repetidas como se fossem dele. Ele dizia “ah, sim, isso eu já estava fazendo!” E daí parecia que ele é que havia pensado nisso primeiro. A sabotagem machista é real! Esse mesmo chefe chegava a apagar meu trabalho na rede do computador para que eu tivesse que refazer e assim parecesse menos eficiente e ágil.

Por isso, mulheres, não se deixem calar por essas pessoas despreparadas e infantis. E vocês, homens, tratem as mulheres como iguais: seja dentro de casa ou dentro das empresas. Você não precisa sabotar ninguém para mostrar sua eficiência.

 


Joy Moretti

Idealizado pela jornalista Joy Moretti, o Radar Feminino é feito para as mulheres modernas, que estão atentas a tudo que está acontecendo ao seu redor, e querem se manter informadas sobre os mais diversos assuntos. É uma maneira de exaltar e homenagear as grandes guerreiras que fazem diferença em nosso país e no mundo diariamente. "Quando uma mulher empodera a outra, ela está reafirmando o seu próprio poder!"

Comentar

Seu email nunca será compartilhado. Campos obrigatórios são marcados *

*
*