Festa da democracia?

Postado em 17/09/2018
Lifestyle

Redes sociais viram campo de batalha pré-eleições

Desde que se iniciou o horário político e as propagandas eleitorais ganharam mais destaque, as redes sociais têm sido um espaço para que os eleitores demonstrem suas preferências partidárias, critiquem outros candidatos e entrem em discussões sobre as propostas e campanhas.

No entanto, o que era pra ser um debate saudável ganhou caráter de guerra: o que mais vemos são publicações agressivas, que visam invalidar a escolha do outro e ofendê-lo pessoalmente. Muitas “amizades” online passaram a ser desfeitas e, o ápice dessa intolerância política aconteceu no último sábado, quando hackers (pró-Bolsonaro) invadiram as contas do Facebook das administradoras de um grupo de mulheres que são contra a eleição do candidato do PSL.

O grupo foi hackeado e teve seu nome alterado

Além de exporem os dados dessas mulheres nas redes sociais, os hackers tomaram conta do grupo (que mantinha mais de 2 milhões de mulheres), mudaram seu nome à favor do candidato Jair Bolsonaro e começaram a fazer publicações de apoio ao presidenciável. Em meio ao revide das mulheres que faziam parte do grupo, os invasores tomaram a decisão de excluir comentários e banir membros do grupo.

Embora o posicionamento do Radar Feminino seja contra o candidato Jair Bolsonaro, não queremos apenas apontar esse ocorrido. Queremos falar sobre intolerância política e falta de respeito. Todos têm o direito de se expressar e de escolher o candidato de sua preferência, por isso somos uma democracia. Mas, a partir do momento que alguém (ou alguns) tentam  tirar esse direito, daí precisamos rever se estamos, de fato, escolhendo a pessoa certa para dirigir esse país.

Além do mais, assim que os invasores tomaram o grupo, houve uma sucessão de publicações que ofendiam a mulher em si e o movimento feminista.

As administradoras do “Mulheres contra o Bolsonaro” já formalizaram queixa na delegacia contra o crime digital e a exposição dos dados, e agora contam com a ajuda do próprio Facebook para retomar as atividades do grupo. Muitas mulheres notaram que suas contas foram invadidas e estavam sendo feitos logins de outros estados e cidades que não a de residência delas.

Unidas, orientaram umas às outras de como aumentar a segurança em seus perfis e organizam, juntas, uma manifestação pública de repúdio ao candidato e à essa atitude de desrespeito à liberdade de expressão. O movimento deve acontecer no dia 29/09, simultaneamente em diferentes Estados.

O assunto ganhou o mundo, sendo destaque no Trending Topics do Twitter e o propósito do grupo ganhou o apoio de celebridades e até de candidatos à presidência, que se pronunciaram contrários a essa atitude de tomar o grupo para si e ofender os membros.


Joy Moretti

Idealizado pela jornalista Joy Moretti, o Radar Feminino é feito para as mulheres modernas, que estão atentas a tudo que está acontecendo ao seu redor, e querem se manter informadas sobre os mais diversos assuntos. É uma maneira de exaltar e homenagear as grandes guerreiras que fazem diferença em nosso país e no mundo diariamente. "Quando uma mulher empodera a outra, ela está reafirmando o seu próprio poder!"

Comentar

Seu email nunca será compartilhado. Campos obrigatórios são marcados *

*
*